PUBLICIDADE

Página Principal : Filosofia


Ética a Nicômaco. Livro X.



Neste livro, Aristóteles analisa o prazer. Diz Aristóteles que; o prazer é o sentimento que guia os jovens. Comprazer?se das coisas apropriadas e desprezar as más tem fundamental importância na formação do caráter. Diz ele que; Eudoxo acreditava que o prazer é um bem, pois todos os animais buscam a ele. Segundo ele, o prazer quando buscado em razão de um outro bem (como a justiça), torna?se mais digno ainda, confirmando a idéia de que o bem só pode ser acrescido pelo bem. Considera-se ainda, que o prazer é indeterminado, pois, admite-se uma graduação, e o bem a que procuramos não, ele é determinado. O prazer acompanha a ?vida ativa? e, por isso, não o sentimos continuamente. Algumas coisas nos são prazerosas quando novidades, e nem tanto quando deixam de ser. Isso se dá por causa da estimulação espiritual. De início, prestamos mais atenção a algo e depois, com nossa atividade menos intensa, já não mais prestamos tanto como antes. Segundo Aristóteles, o prazer complementa as atividades, tornando a vida completa. Estando os dois (prazer e vida) intimamente ligados, ele difere em várias espécies, por ocorrer sua divisão de acordo com a atividade que este complementa e intensifica. Cada atividade que é realizada com prazer é feita da melhor maneira possível. Assim, alguém que tenha prazer em estudar geometria, por exemplo,  fará mais descobertas e entenderá melhor o assunto por ter nele afinidade e prazer. Diz Aristóteles que; quando nos comprazemos demais em uma determinada atividade, nos dedicamos demasiadamente a ela e não servimos a mais nenhuma outra. Sempre evitamos fazer aquilo que nos é penoso. Segundo Aristóteles, estes conceitos sobre o que é prazeroso e o que é penoso, variam de pessoa para pessoa. Pois, o que é quente para um homem fraco pode não o ser para um forte. Diz Aristóteles que, a felicidade é o fim que natureza humana visa. E, a felicidade é uma atividade, pois não está acessível a aqueles que passam sua vida adormecidos. Ela não é uma disposição. À felicidade nada falta, ela é completamente auto-suficiente. É uma atividade que não visa a mais nada a não ser a si mesma. O homem feliz, basta a si mesmo. Segundo o filósofo, uma vida virtuosa exige esforço e não consiste em divertimento. Portanto, a recreação não consiste em felicidade. Por isso, conclui o filósofo que; a boa atividade na virtude torna?se felicidade. Porém, para por em prática os atos justos e bons são necessárias outras coisas. Por exemplo: um homem liberal necessitará de dinheiro para por em prática seus atos. Por isso, segundo Aristóteles, devemos questionar o que é melhor: a vontade ou a ação?  Pois, quanto mais nobres e justos forem os atos mais coisas serão necessárias para sua realização. Temos então que, segundo o filósofo, a contemplação é a melhor das atividades, pois, para ela ser realizada não necessitamos de mais nada. Por isso, podemos concluir que os animais incapazes (seres não racionais) não participam da felicidade total, pois, são privados desta atividade (contemplação) e as pessoas que mais são capazes de realizá?la são as mais felizes. Segundo Aristóteles, homem para ser feliz precisa também de bens exteriores (bens materiais), pois, nossa natureza não basta a si mesma, embora estes itens não devam ser, necessariamente, muitos ou grandes, diz ele, mas sim como Sólon os colocou, dizendo que; o homem deve ser moderadamente provido de bens exteriores. Diz o autor que, alguns pensam que; por natureza nos tornamos bons. Outros acreditam que é pelo hábito, e outro pelo ensino. Mas, quanto a natureza, não depende de nós, ela se dá em decorrência da vontade divina, e pelo ensino. Alguém que vai aprender deve estar preparado para tal, tornando?se capaz de gostar ou sentir aversão de maneira correta através do hábito. Para Aristóteles, fazer com que as pessoas ajam da maneira correta desde a infância é uma tarefa árdua. Sendo assim, devem existir leis definindo como deve ser educação dos jovens. Leis que devem vigorar também para os adultos. Pois, a maioria das pessoas age certo mais por medo do castigo do que pelo gosto à nobreza. Somente quando o homem tem um raciocínio que vise a honra o legislador deve agir de maneira diferente, deixando o poder coercitivo, o que raramente pode ocorrer. Pois, segundo o pensador, a maioria das pessoas não pensam assim. Portanto, o legislador deve continuar com este papel importante e para executá-lo, ele deve ter uma visão universal do que é ético para a boa conduta da vida.


Veja mais em: Filosofia

Artigos Relacionados


- Ética A Nicomâco. Livro Ix
- A Virtude Segundo O Filósofo Aristóteles
- Etica A Nicomâco. Livro I
- Ética A Nicomâco. Livro Vi.
- A Especialização Das Funções. In: A Política
- Felicidade
- Ética A Nicômaco

 
Sobre o site: Quem Somos |  Contato |  Ajuda
Sites Parceiros: Curiosidades |  Livros Grátis |  Receitas |  Frases e Citações |  Ciências Biológicas |  Jogos Online