PUBLICIDADE

Página Principal : Linguística


LUÍS VAZ DE CAMÕES



LUÍS VAZ DE CAMÕES
(1524? - 1580)

Luís de Camões é considerado o poeta máximo da língua portuguesa (épico e lírico).
Desde muito cedo ganha gama de conquistador. Apaixona-se por Catarina de Ataíde, cujo nome é celebrado no poema Natércia. Fica cego da vista direita, quando luta pelas tropas portuguesas, na África. É preso por envolver-se em uma rixa durante uma procissão de Corpus Christi. No cárcere, inicia o poema épico Os Lusíadas. Livre, embarca para as Índias, onde exerce o cargo de Provedor dos Ausentes e Defuntos.
Nas Índias, escreve mais seis cantos de sua obra. De volta à terra natal, é vitíma de um naufrágio; salva-se a nado com o seu manuscrito. Na cidade do Porto conclui Os Lusíadas. Dedica-se a obra a D. Sebastião, que lhe concede uma pensão de quinze mil réis anuais.
Camões escreve ainda: Anfitriões, El-Rei Seleuco e Filodemo; 286 sonetos, 122 elegias, algumas sátiras e poesias bucólicas.
A obra de Camões pode ser subdividida em dois gêneros: Lírico e Épico.

Camões Lírico

A lírica camoniana é bastante variada quanto à forma dos poemas, que foram produzidos tanto na medida velha quanto na nova. É importante notar que isso ocorreu simultaneamente, e não em fases sucessivas.
Camões escreveu:
_ redondilhas (antigamente estrofes de quatro versos; mais tarde, passa a ser a composição de cinco ou sete sílabas (redondilha menor e maior));
_ sonetos;
_ éclogas ( poesia pastoril, em geral dialogada);
_ odes (palavra grega que significa canto; composição lírica composta de estrofes simétricas);
_ elegias (poema lírico cujo tom é quase sempre terno e triste, uma espécie de lamentação fúnebre);
_ canções;
_ vilancetes.
Destaca-se dos demais poetas lusos pela profundidade do pensamento e pela qualidade da linguagem, especialmente nas redondilhas e nas éclogas. Sem dúvida nenhuma, é no soneto que Camões atinge o máximo do lirismo português.
Seus sonetos serviram, posteriormente, de inspiração a Bocage, a Olavo Bilac e a Vicente de Carvalho.

Camões Épico

A obra épica de Camões é o poema Os Lusíadas, inspirado nas epopéias clássicas (Íliada, Odisséia, Eneida). Tendo como porta-voz o navegador Vasco da Gama, na realidade Os Lusíadas tem como personagem principal o próprio povo lusitano, cujos feitos corajosos são exaltados.
Portugal, que atingira o máximo de glória durante o período das grandes navegações, começa a entrar em decadência e Camões tenta, com sua obra, reerguer o espírito português.
A obra conta a viagem de Vasco da Gama às Índias, ressaltando a coragem dos portugueses e contando vários episódios da história de Portugal. Dividido em 10 cantos, este poema épico possui 1102 estrofes, num total de 8816 versos, todos decassílabos.
Essa disposição das rimas recebe o nome de oitava rima ou oitava real.
A estrutura da obra é a seguinte, de acordo com o modelo clássico;
a) proposição: o que o poeta pretende cantar;
b) invocação: o poeta pede às Tágides (ninfas do Tejo) para ajudá-lo a compor num ?estilo grandíloco e corrente?;
c) dedicatória: o poeta oferece a obra ao rei D. Sebastião;
d) narração: toma grande parte da obra: vai do verso 19 até o final do canto X. O poeta narra a viagem de Vasco da Gama às Índias, como pretexto para contar as peripécias dos lusos;
e) epílogo: compreende um trecho do canto X. Nele, o poeta faz referência aos feitos futuros do povo português.


Veja mais em: Linguística

Artigos Relacionados


- O Gênero & A Palavra Lírico
- José Basílio Da Gama (1741-1795)
- Noções De Versificação
- Epopéias
- Obra C/o Cronica Da Tomada De Ceuta
- Bate-papo Com Os Cobras Dos Descobrimentos
- A Língua De Eulália

 
Sobre o site: Quem Somos |  Contato |  Ajuda
Sites Parceiros: Curiosidades |  Livros Grátis |  Receitas |  Frases e Citações |  Ciências Biológicas |  Jogos Online