PUBLICIDADE

Página Principal : Linguística


Introdução aos estudos lingüísticos: Gramática Hindu e Gramática na Idade Moderna



A Gramática hindu
Os primeiros a estudarem a língua foram os antigos hindus, que o fizeram por questões religiosas. O estudo tinha importância para a preservação dos textos sagrados.
Analisaram com exatidão sons e formas do antigo indiano e impulsionaram a criação da gramática comparativa das línguas indo-européias. Fizeram descrições fonéticas e gramaticais que foram esquecidas com o tempo, e apenas no final do século XVIII foram redescobertas. Os hindus limitaram-se a classificar os fatos sem procurar explicações.
Devido a antiguidade de textos considerados sagrados empenharam-se a ensinar como interpretá-los, e depois fizeram o mesmo com a língua das classes nobres, ?formulando regras e listas de formas descritivas do tipo correto de língua a que chamaram sânscrito? (BORBA, 1975, p.18).
O mais conceituado gramático hindu foi o Pãnini (séc. IV. ac). Com bases em observações e experiências, já possuía a distinção entre radicais e sufixos.
Ao contrário de gregos e romanos, não se preocupavam com a origem da linguagem. Fizeram grandes descobertas a cerca da formação fisiológica dos sons, relacionando processos fonéticos e sons semelhantes. Chegaram às distintas formas flexivas, os casos de sua língua e as flexões verbais.

A gramática na idade Moderna

Na idade Média, após o Cristianismo, com a tradução da Bíblia para diversas línguas os estudos lingüísticos evoluíram apesar dos evangelizadores não terem esse objetivo de estudo.
Estudiosos da Itália interessaram-se pelos problemas da linguagem e na relação entre os dialetos reconhecendo que na Itália havia 14 dialetos diferentes.
O latim falado rumava para sua divisão nas línguas românicas, mas na escrita persistia a forma clássica do latim antigo, e foi esse latim antigo que foi estudado na Idade Média. Os estudiosos da época distinguiram nomes de adjetivos e as diferenças entre concordância, regência e aposição.
Sendo o latim clássico, visto como ?a forma logicamente normal da linguagem humana? (BORBA, 1975, p.19) não se buscavam comparações com outras línguas.
Buscando compreender primeiramente o mais simples, as gramáticas latinas da Idade Média dispensaram os estudo da sintaxe, e voltaram-se para morfologia, lexicografia e ortografia.
Com a propagação do Cristianismo, da tradução da Bíblia para vários idiomas e da concepção de todos os homens são irmãos, no fim da Idade Média o interesse por outras línguas cresceu e os estudos gregos e romanos foram acrescidos de estudos do hebraico e do árabe.
Movimentos religiosos acontecidos naquela época proporcionavam contato com línguas desconhecidas que geraram dicionários e gramáticas relativas a essas novas línguas descobertas.
Com o Renascimento todas as tendências se acentuaram e os clássicos gregos foram resgatados.
Os estudos buscavam agrupar os dados recolhidos e uma das maneiras com que isso foi feito foi agrupá-las segundo os dados espaciais, classificações geográficas que puderam estabelecer algumas relações entre as diferentes línguas estrangeiras.
O primeiro dicionário poliglota foi organizado pelo italiano Ambrosio Calepino que conseguiu grandes êxitos e foi diversas vezes publicado. Muitos outros livros foram surgindo com diferentes repertórios das línguas estrangeiras.
Para estabelecer relações entre os dialetos começou-se a classificar as línguas em famílias e por quase dois séculos acreditou-se que o hebraico era a língua-mãe, da qual que originaram-se todas as outras.


Veja mais em: Linguística

Artigos Relacionados


- História Concisa Da Lingüística: Idade Média
- Introdução Aos Estudos Lingüísticos: Gramática Na Grécia E Gramática Em Roma
- Origem Das Línguas Românicas
- Romania, Romano E Romance
- História Concisa Da Lingüística: Roma
- O Indo Europeu - Tronco Comum
- História Concisa Da Lingüística: Renascença

 
Sobre o site: Quem Somos |  Contato |  Ajuda
Sites Parceiros: Curiosidades |  Livros Grátis |  Receitas |  Frases e Citações |  Ciências Biológicas |  Jogos Online